sábado, 19 de setembro de 2015

Vila Real - Régua pela antiga linha do Corgo


Uma linha de comboio desactivada é sempre um bom pretexto para calmamente se percorrer a pé.  Os traçados das linhas foram feitos no século XX para máquinas a vapor ainda mais pachorrentas do que nós e por isso não havia que temer os cerca de 26 km a descer, entre Vila Real e o Peso da Régua.
Um convite das Péletras para fazer este trilho em conjunto era irrecusável pelo trilho em si e também pela alegre e divertida companhia.
Saímos cedo do Porto, mas a logística da colocação dos carros no final do percurso e a volta ao início, fez com que o arranque efectivo do percurso se fizesse depois das 10H30.




Um pouco mais à frente as obras de arte das novas estradas que simplificaram as grandes travessias do Douro e Trás-os-montes mas que colocaram os traçados ferroviários de serventia local, como aquele, em desuso.


Caminho fácil já sem as linhas e as "solipas"


A paisagem depressa começou a ser marcada pela  engenharia tradicional que amplificou em degrau as áreas melhor expostas.


Também por aqui se nota a praga dos fogos.


E eis que aparece o primeiro apeadeiro. Para trás foram ficando algumas figueiras carregadíssimas de figos pretos a pedir que lhes aliviassem um pouco o peso, medronhos já bem vermelhos e apetitosos e uvas brancas e tintas que se alguém as provava deixavam os dedos colados...


Do lado com mais sol a vinha, do lado menos bom a oliveira



Novas vinhas em implantação.


Cachos muito bem postos e encorpados.


Almoçamos no apeadeiro de Carrezedo.





A textura do xisto





Os desníveis que a Natureza criou foram perfeitamente aproveitados e integrados.







Com paisagens destas, as uvas tinham que se desenvolver  bem e o seu resultado quer na mesa quer no copo tinham que ser apetitosos.







Aqui, pare, escute e respire fundo que vai ter mesmo de atravessar o que resta da ponte. Bem agarradinho ao corrimão e sem olhar para baixo até parece um brinquedo...



Os traços da modernidade


Tanha - o penúltimo apeadeiro da linha 


Morreu o comboio, vivam os Tuk-Tuk...




O último apeadeiro da linha.


Ali ao lado na linha do Douro passam os comboios turísticos cheios de olhos ávidos por aquelas paisagens.



Cruzam-se as vias ferro e rodoviárias

E o velho transporte fluvial virou novo e sempre espalhando beleza por onde passa e a quem transporta.



Rio Douro e foz do Corgo.


A máquina do comboio turístico a preparar a nova saída da Régua


O Peso da Régua é bonito de todos os ângulos.



A imagem do Património Mundial que para nós que tínhamos descido de Vila Real até à Régua não precisava de maiores explicações sobre a sua atribuição.


Já foi ponte de comboio e agora une as duas margens para quem quer ter o prazer de saborear as vistas da zona.


As imagens da ponte são bonitas mas não dispensam uma vista ao vivo num fim de tarde de um dia de sol.


A imagem do Peso da Régua ensolarada na maior parte do dia e sempre bonita.



O anúncio diz que "debaixo da capa está o segredo". Nós sabemos que o segredo está naquela zona toda ( e na do Porto que há séculos também foi contaminada pelo mesmo elixir da beleza).


E chegamos ao fim. 27 Km, marcou o GPS mas o trilho é fácil de fazer e com paisagens que fazem esquecer qualquer cansaço que possa aparecer...
A alegre e divertida companhia das Péletras também muito ajudou.

1 comentário:

  1. Há forma de evitar a ponte? Quero fazer, mas com a minha filha.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...